sexta-feira, 11 de maio de 2012

A LUZ NEGRA

Sempre só
Eu vivo procurando
Alguém
Que sofra como eu
Também
Mas não consigo achar
Ninguém

Sempre só
E a vida vai seguindo
Assim
Não tenho quem tem dó
De mim
Tô chegando ao fim

A luz negra de um destino cruel
Ilumina um teatro sem cor
Onde eu tô representando o papel
De palhaço do amor


                                                               CAZUZA

Nenhum comentário:

Postar um comentário